Escola Latinoamericana de Agroecologia sedia curso de Sabores da Agrofloresta.

Texto e foto: Antonio Kanova

O curso iniciou nesta última sexta feira (20) e foi até domingo (22). Atividade aconteceu no espaço da ELAA, localizado no assentamento Contestado, Lapa Paraná. São cerca de 35 estudantes que vieram aprender sobre técnicas agroflorestais e a preparar pratos saudáveis aproveitando o máximo dos alimentos.

Voltado para o público urbano, o objetivo é conectar campo e cidade, percorrendo todo o caminho da produção do alimento, desde o cultivo da terra, através do técnicas e manejos agroflorestal e o preparo de alimentos. O curso é idealizado pela apresentadora e chef de cozinha Bela Gil e o agrofloresteiro Namastê Messerschmidt.

Para Bela Gil  é importante “combinar tanto o conhecimento da culinária quanto o conhecimento da terra, da plantação para trazer isso para um curso para as pessoas intenderem, realmente na prática, como se dá a comida que vem diretamente da terra.

A agroecologia é o cuidado com a natureza, mas também com a própria saúde. Gil ressalta ainda que “o tratamento que um agricultor de agrofloresta dá para a terra e para a planta é o mesmo cuidado de uma pessoa que cuida da alimentação, que cozinha pensando na saúde, vai dar para a comida. Esse olhar mais sistêmico, mais holístico, mais integral de que nada está isolado”.

A realização do curso no assentamento Contestado traz a ideia de um conjunto de elementos presente na reforma agrária popular. O agrofloresteiro Namastê, reforça que “realizar o curso aqui traz esse contexto da reforma agrária que é muito importante dentro da agroecologia aliando agrofloresta, culinária dentro da reforma agrária”.

Os participantes são de vários estados e de diferentes profissões. É um grupo bem diversificado, tendo empresários, aposentados, agrônomos, produtor rural e assentado da reforma agrária. “É uma oportunidade muito grande das pessoas poderem estar convivendo em um território como teste e estar vendo com os próprios olhos o que realmente é de verdade”, afirma Namastê.

O Gaúcho, Mario Aumond, aposentado e atualmente produtor agroecológico vivência pela primeira vez a experiência em um assentamento de reforma agrária. Para ele é uma excelente experiência, conhecer um pouco mais a partir das convivência com as pessoas.

Aumond também explica o por que é importante defender a agroecologia. “A humanidade está caminhando para um caminho muito perigoso. Um caminho para acabar com a natureza.”

Ele continua explicando que “a agroecologia é um caminho para reverter isso. Talvez, seja pela agroecologia que a sociedade como um todo, retome um caminho mais descente para a humanidade.

Durante o curso, os estudantes realizaram práticas nos lotes dos assentados podendo conviver e trocar experiências. Entre uma visita técnica e a outra, a apresentadora Bela Gil ensinava a preparar pratos com os alimentos encontrados no assentamento. Teve tapioca de inhame, coração de banana, farofa de talos, sucos e vários outros alimentos, deliciosos.

Todo o lucro arrecadado durante o curso foi destinado a ELAA como forma de incentivo e continuidade à formação e capacitação para assentados da reforma agrária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 6 =